Um belo retrato que rejeito

Parece que uma nuvem reparando na minha figura
desceu num movimento vertical muito nobre
e que com gotas de água, uma a uma, com doçura
formou cada partícula do vestido que me cobre.

Que a Primavera num gesto harmonioso
tocou com os lábios nas flores de um jardim
e encaminhou num sopro delicado e gracioso
 pétalas de rosas que voaram  até mim.

Mas os meus olhos cismados pela vida
pedem ao meu corpo que almeje a partida,
porque aquela coroa de rosas sobre o véu

e o esbelto vestido que me adorna
prendem-me numa existência que me torna
apenas num belo retrato que rejeito;  não sou eu!

Fernanda R-Mesquita



Poema premiado




Dedicado a todas as mulheres e às jovens-meninas que viveram e muitas ainda vivem,  numa situação de desconforto, dominadas pelos hábitos sociais que as rodeiam. Hábitos que as vestiram e vestem, aparentemente bonitas, como se fossem obras primas de mentes dominadoras. Que todos juntos, possamos irradiar luz e amor, para que a liberdade chegue, não apenas às vítimas, mas também aos carcereiros; pois eles vivem  prisioneiros e nem se apercebem. A poesia é um caminho importante a usar, para relembrar que essas situações continuam a existir. 





Obrigado Casa dos Poetas e da Poesia. Obrigado FLAVIO POESIAS E VIDA!






Comentários